Postagens

Mostrando postagens de Dezembro, 2020

Sete respostas de 2020 e sete perguntas para 2021

Imagem
  Não é retrospectiva, é expectativa!! Imagem de mohamed Hassan por Pixabay  Como muito bem definiu um dos meus cronistas preferidos, Antônio Prata , estamos naquela ocasião esquisita do ano, aquela semana entre o Natal e o Réveillon, que a gente não sabe se tem que trabalhar ou está de férias e que ele, acertadamente, ousou chamar de ' períneo do calendário '. Portanto, trata-se de lugar sensível, confuso momento de tabu e prazer, de uma espécie de limbo amoral onde ficamos na dúvida de como agir nesse espaço que liga muita coisa a coisa nenhuma. Por isso, nada de assuntos muito longos e robustos, apenas poucas palavras introdutórias para perscrutar os anos que se vai e que se vem. E, para isso, nada melhor de que uma boa lista, uma que nos ajude a entender, ao mesmo tempo que nos mantêm alertas. 1) Educação Formal - A resposta: duas em uma - sim, a educação do jeito que estava era velha e carcomida; e, não, não é culpa dos professores que, a trancos e barrancos, conseguiram

Revista ABTU - Episódio #1 - Surdos e Telejornalismo

Imagem
  Continuamos na batalha da divulgação científica! Desta vez, apresento o programa Revista ABTU , uma websérie de seis episódios dirigida por Fabiano Pereira e que apresenta as pesquisas da última edição da publicação homônima e que explora o universo das TVs Públicas e Universitárias. Nesse primeiro episódio (toda quarta tem um novo!), a conversa é com Vanessa Massoni , jornalista que se encantou com o mundo dos surdos e fez a pesquisa 'Por um Bom Dia e um Boa Noite para todos: um estudo sobre o acesso à informação para o surdo através do telejornalismo' , sob orientação do Prof. Marcus Staudt. Como toda boa pesquisa, a da Vanessa começa com uma linda história pessoal e se estende por uma questão que a turma da militância de uma TV mais social batalha há muito tempo, o da obrigatória por parte das emissoras de instrumentos de inclusão que, se antes era limitados pela tecnologia, hoje já não tem mais essa desculpa.  Toda a série pode ser vista no canal da ABTU no Youtube

A pesquisa da comunicação pela hora da morte: um estudo sobre os livros da Intercom 2020

Imagem
A diversidade está raiz na pesquisa da comunicação brasileira  A pandemia não parou meus colegas pesquisadores em comunicação. Se publicação de livros pode ser considerado um sinal de produtividade, só na Intercom (principal congresso anual) foram 64 novos volumes, 14% a mais do que no ano anterior. Mas o mais interessante é saber quais as temáticas em que estamos nos envolvendo, porque a gente só busca soluções para o que parecem ser os problemas da atualidade. Fiz um levantamento a partir dos resumos e dos títulos e o que se vê é um campo bem diverso, como deve ser, uma vez que a Comunicação é a prática social que dinamiza todas as relações sociais. Mas nota-se também que a área está preocupada com as novas formas do comunicar por imagens e com as questões sociais que excluem, de diversas maneiras, segmentos sociais já oprimidos em outras dimensões. A metodologia dessa pequena pesquisa de análise de conteúdo foi dividida em três partes: a primeira, a leitura de cada resumo e a tentat

TV Séries Escolares: um bom jeito de conhecer a Educação em outros países.

Imagem
Um gênero de séries de TV que sempre existiu, mas que nem sempre tem um destaque, é aquela ambientada em escolas. Passavam longe das minhas preferidas, porque todas eram ambientadas em High Schools , as escolas norte-americanas, um modelo tão distante da gente que não conseguia criar uma identificação, primeiro, como aluno, depois como educador. Mas, se tem uma coisa que a Netflix tem feito de legal é abrir seu catálogo de produção para obras de outros países, e aí, caramba, tem sido ótimo ver tais séries! É uma maneira divertida, mas também educativa, de ver como os nossos colegas se tão bem, ou muito mal, nas salas de aula em outros países. Atenção, o convite aqui não é para que possamos ter alguma epifania do tipo 'ah, que legal, vou fazer isso nas minhas aulas'. Considero, de coração, que o professor brasileiro é o mais criativo do mundo, junto com todos os outros de países com pouco incentivo social e financeiro para exercer sua profissão. A cada prêmio ou notícias sobre i