Postagens

Mostrando postagens de Novembro, 2016

Black Friday mostra que TV está mais viva do que nunca

Imagem
Consumidores disputam TVs em promoção | Nacho Doce/Reuters | Metro Está vendo a foto acima? Não sei aonde ela foi tirada, mas estava muito parecida com o que presenciei em um grande supermercado aqui de BH. Rapaz, mas televisão não está condenada a ser um aparelho nostálgico? "Ninguém mais assiste televisão" é o que mais escuto em eventos acadêmicos que se propõem a serem o oráculo do futuro. Então, porque tanta correria para comprar aparelhos já condenados ao lixo eletrônico da história? Não sou exatamente fã de "tradições" importadas, como Halloween e Black Friday. Chego a boicotar. E, nesta sexta-feira, fui ali no shopping, do lado da minha casa, comprovar minha tese que a crise econômica iria mostrar que a Black Friday estava fadada ao fracasso, ainda mais que a fama de Black Fraude me parecia ter vindo para ficar. Ledo engano! Fiquei cansado só olhar as filas! Não é um shopping dos mais sofisticados. Ao contrário, em Belo Horizonte, arrisco dizer qu

Internet das Coisas virou sua secretária!

Imagem
Crédito Pixabay CC0 Public Domain Não é mais uma questão de se e quando . Mas como a Internet das Coisas já está afetando o seu cotidiano. Hoje, as máquinas já estão tomando decisões por você, em seu nome, sem que você saiba. Até quanto isso é bom ou ruim? Estamos indo para uma distopia onde o ser humano será dispensável? O Facebook seleciona as postagens de seus amigos que você, supostamente, gostaria de ler, em detrimento daquelas que, supostamente, você consideraria dispensáveis. Seu e-mail recebe mensagens de promoções de lojas que, supostamente, você gostaria de aproveitar. Seu smartphone sugere caminhos e lugares que, supostamente, você prefere ir. Sua assinatura de videos sob demanda lista os filmes e séries que supostamente você quer assistir. Tudo isso sem que você tenha (ou se lembre) de ter autorizado. Mas está tudo bem, né? É para o meu bem, para facilitar minha vida? Então, tá valendo! De fato, isso tudo ajuda muito. É muita informação para a minha cabeça e que bo

Trump e Brexit: derrota do Big Data?

Imagem
Mensagem do Itaú explica porque as pesquisas se deram mal nas eleições norte-americanas, inglesas, colombianas e brasileiras Todo mundo achou que a Hillary ia ganhar. Todo mundo achou que o Brexit ia perder. Todo mundo achou que era impossível uma proposta de paz na Colômbia não ter a aceitação da população. Ora, se todo mundo achava, e o Big Data é o reflexo do que todo mundo pensa, fala e faz, e as campanhas e a mídia do Séc. XXI são baseados em Big Data, o que deu errado para todo mundo estar errado? A moda apocalíptica do momento é o Big Data, termo usado para designar o enorme volume de dados que se aglutinam a partir do comportamento virtual das pessoas. Na nova realidade/ficção científica, a humanidade tem todo o seu comportamento dirigido a partir da manipulação desses dados. Fico imaginando que quem tem os melhores equipamentos e equipe para isso são os EUA. E, por sua vez, a nata desta já elite tecnológica estaria nas campanhas presidenciais, já que se trata do mai

As gerações e o seu trato com a tecnologia

Imagem
Esse é um video que vale muito a pena assistir. Pode-se vê-lo pelo aspecto acadêmico, tentando entender, afinal, que gerações malucas são essas que tentam conviver. Mas também pelo aspecto emocional, quase como ler horóscopo e se ver falando algo como "uau, não é que eu sou assim também?" O importante é ver o caminhar das gerações e seu comportamento. Para nós, aqui, interessa é saber como elas se relacionaram/relacionam com a tecnologia. O video foi produzido pela Box 1824 , uma agência de pesquisa de comportamento de consumo, que se propõe a utilizar métodos heterodoxos. O video bombou na internet e já teve mais de 500 mil visualizações, e conta a história de três gerações: os  Baby Boomers (turma no auge dos anos 1960 e 1970), a Geração X (galera que mandou nos anos seguintes até o Séc. XXI) e os Millenials (os atuais jovens adultos). A produção é importante não só para entendermos os contextos de cada geração, mas acho que pode ajudar a que cada uma delas perdoe a ou