Sem descer para o play: os Sem Televisão X Com Televi$ão:


dreamstimefree
O meu condomínio tem 80 apartamentos. A partir de 2016, seis famílias estarão proibidas de descer para o parquinho.

É isso que vai acontecer com o desligamento da TV analógica, agora que aproxima-se o prazo do início do desligamento. Em bom português, significa que quem não tiver infraestrutura de TV Digital em casa, fica sem TV. Ou paga por ela.

Faltam só quatro meses para o primeiro desligamento, no município de Rio Verde, em Goiás. Em 2016, será como um dominó, um sinal caindo após o outro.

O processo está cheio de pegadinhas e aqui vai uma: a legislação de transição define que o desligamento só poderá ser feito quando 93% dos domicílios daquela área estiverem com acesso à TV Digital.

Mas como disse o escritor Benjamin Disraeli, há três espécies de mentiras: mentiras, mentiras deslavadas e estatísticas. 
 
Tiraram esse número da realidade nacional em que 93% da população é hoje alcançada pelo sinal analógico. É certo que, em um país com dimensões continentais como o Brasil, é mesmo inviável torres para atingir todo o território. Mesmo porque uma parte sequer tem gente lá para ver TV.

Ainda assim, 7% não é pouca coisa: significa quase 5 milhões de lares! É muita gente sem TV.

Mas dá para piorar 1: a situação é tão esdrúxula que, enquanto tal índice reflete a desocupação irregular do território nacional, será aplicado em cidades densamente povoadas. Em São Paulo, capital, quando "apenas" 280 mil domicílios estiverem sem acesso à TV Digital, poderá ser desligado o sinal analógico. Ou seja, 280 mil lares que, de um dia para outro, não mais terá a opção da TV aberta gratuita e, se quiser ver o principal veículo de comunicação e de entretenimento do país, terá de pagar.

Podemos colocar desde outras capitais, como Rio (168 mil de fora), BH (60 mil), mas mesmo cidades pequenas, com 10 mil domicílios, teriam 700 deles sem TV. Esse sim era um movimento digno para umas Senhoras de Santana.

Mas dá para piorar 2: não é que tem alguns gênios em Brasília que já estão excluindo da conta os lares que tem TV paga e os que captam sinal de antenas parabólicas, algo em torno de 20 milhões? Na cabeça desta turma, "ora, eles já recebem o sinal de TV por outra fonte que não a TV aberta, então não podem fazer parte da conta". Então aqueles 93% de cobertura de domicílio atingidos pela TV terrestre analógica gratuita, viram 93% aqueles que assistem TV analógica. Ou seja, em apenas um caso, se depois de desligada a TV analógica, o coitado perder o emprego (coisa não muito difícil, atualmente) e não puder pagar pela TV, ou mesmo quiser aproveitar a nova tecnologia para deixar de depender da operadora, esqueça a novela! Se a sua casa não estiver no raio de recepção do sinal digital, já era. Vai voltar a tradição de ir assistir TV na casa do vizinho.

Tem mais, mas voltamos ao assunto depois. Mas, à propósito do meu condomínio, neste domingo tentei assistir a TV Digital do meu celular, em Belo Horizonte, em um bairro bastante populoso, plano e sem montanhas na frente, não longe do centro. Não funcionou e tive que ligar a TV paga mesmo.

Devo estar dentro os 7% dos que não podem descer para o parquinho.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Espaço: a fronteira final

Educação é Pop!

Há esperança!