Interatividade na TV Digital: "Opção pelo passado"


 

A interatividade é a redentora da TV brasileira na entrada da era digital. Era assim que pensavam os pensadores há muitas anos atrás quando começamos a pensar sobre a TV Digital no Brasil. 

Seria o diferencial brasileiro em relação a TV Digital norte-americana e europeia. Finalmente esse aparelho manipulador e opressor cultural onipresente nos lares brasileiros (do ponto de vista dos dinossauros acadêmicos dos anos 1970) iria, pela interatividade, incluir o cidadão brasileiro em sua sociedade excludente.

Ops, deu pau! Transcrevo o ótimo editorial de André Mermelstein, publicado na edição impressa de junho de 2105 da revista Tela Viva, publicação que trata seriamente a temática digital (se não a única). André faz um 'estado da arte' da interatividade e a TV Digital e ainda mostra que o que era ruim ainda pode piorar. Não é o caso de descartar a interatividade - ainda é necessária - mas repensar qual deve ser o seu modelo a partir das evoluções e tendências tecnológicas atuais e não do que se tinha em mente no passado.

Opção pelo passado

Por André Mermelstein - Revista Tela Viva - Ano 24 - Ed. 258 - Jun. 2015

Depois de alguns anos em "hibernação", o tema da interatividade na TV aberta voltou à tona.

O Gired, grupo responsável por definir os parâmetros da migração final para a TV digital terrestre, e o subsequente desligamento das transmissões analógicas (switch-off), decidiu pela inclusão do middleware Ginga C nas caixinhas (set-tops) que serão distribuídas aos beneficiários do Bolsa Família.

Em teoria, é uma boa ideia. 14 milhões de famílias receberão uma caixa que permitirá não apenas assistir à TV digital, mas também terão acesso a serviços públicos e comerciais interativos.

Na prática, a história é um pouco diferente. Pra começar, a caixa, a se manter o modelo proposto atualmente, não terá modem, ou seja, não será capaz de transmitir informações, apenas receber dados em "carrossel" (informações que chegam automaticamente e são armazenadas no set-top para consulta). Marcar consultas no SUS ou verificar sua situação no INSS, por exemplo, só será possível caso o usuário adquira um modem e contrate uma conexão de banda larga, fixa ou móvel.

As empresas de telecomunicação, claro, preferiam uma caixa mais simples e barata, uma vez que são elas que cobrirão o custo de transição, em troca das frequências liberadas com a digitalização. Mas, razões financeiras à parte, vale uma reflexão sobre o objetivo da medida em si.

As emissoras de TV nunca se interessaram pela interatividade. Ela funcionou como "argumento de venda" quando se discutiu a implantação da TV digital, mas não houve um esforço concreto em desenvolvê-la, mesmo com a crianção do Ginga, considera, com razão, um feito da engenharia brasileira. O fato é que a interatividade é um problema para as emissoras, porque tira o foco do espectador daquele que para elas é importante: a programação e seus breaks comerciais.

Ainda que o set-top fosse inteiramente funcional, com modem e acesso livre, pode-se questionar sua utilidade. Ou pelo menos, sua atualidade enquanto plataforma de serviços online. Enquanto se discutia a TV interativa, a Internet desenvolveu-se no país, em especial as conexões móveis. A base de usuários de Internet móvel no Brasil subirá de 63 milhões para 83,7 milhões entre 2014 e 2016 segundo a eMarketer. Os smartphones foram quase 94% dos celulares vendidos no Brasil no primeiro trimestre deste ano, cerca de 35% com acesso 4G. Já são 60% da base de aparelhos móveis no país. Sem falar nos tablets, smart TVs etc.

O governo, que deixou de lado a ideia da interatividade por alguns anos, parece ser o único interessado em reanimá-la. Não seria então melhor direcionar estes investimentos para a oferta de um acesso popular à Internet a estas famílias, complementar a programas já existentes nesse sentido? Levar às pessoas que mais precisam uma tecnologia do século XXI, e não um arremedo de interação que, de resto, não existe em mais lugar nenhum? Ou teremos, mais uma vez, cidadãos de segunda classe também no plano digital.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Espaço: a fronteira final

Educação é Pop!

Há esperança!