A história do dragão do bafo quente





É só ajudar com a técnica que as crianças voam... É o caso dessa linda animação feita por alunos do Instituto Libertas, em Belo Horizonte, sob a coordenação da Profa. Fernanda Clímaco. A animação teve menção honrosa na MUMIA - Mostra Udigrudi Mundial de Animação de 2014.

Deixo as palavras da Profa. Fernanda para descrever o processo:


   
"Essa história começou com a leitura de um conto clássico da literatura infantil “A bela adormecida” na versão escrita e encenada pelo grupo Giramundo.  Após diversas leituras, visitamos uma exposição dos bonecos originais da história no MUSEU MEMORIAL VALE e o encantamento foi imediato... Voltamos para a escola e observava fragmentos do clássico sendo representados pela meninada em jogos simbólicos e em desenhos. 

Eu era professora da turma de 4 e 5 anos no Instituto Libertas. Já estava desenvolvendo um projeto de literatura e a coisa foi crescendo...junto com as professoras de artes e música - olha a interdisciplinaridade aí - resolvemos embarcar na ideia maluca de animar a história que as crianças inventaram a partir de um reconto do Giramundo.
A ideia da animação foi das crianças que queriam fazer um desenho animado, como disseram,  "igual do Cartoon Network!" Eu já estava utilizando as tecnologias como mais uma linguagem de aprendizagem p/ as crianças e me animei.

Nas brincadeiras, a meninada inventava reinos encantados onde eles viraram rei, rainha, fada, princesa, cavaleiro, dragão... O faz de conta virou um teatro. O teatro cresceu e os personagens surgiram nas sombras, nas construções e em diferentes representações.

Até que surgiu a proposta da História ser animada e tomar forma através das representações gráficas das crianças. Os desenhos e os diálogos foram construindo a narrativa e gerando a paisagem sonora de uma história reinventada... tecnologia, literatura, arte, música e teatro foram algumas das linguagens pelas quais as crianças tiveram a oportunidade de imaginar, brincar e inventar uma história linda, transformada em desenho animado. 
 
Então assistimos alguns desenhos e pesquisei técnicas até descobrir essa que fizemos. Quem fez primeiro foi o pintor Picasso e resolvemos repetir com as crianças. Enquanto desenhavam, filmamos com uma câmera fotográfica digital bem simples e também com o celular. Depois, com o apoio de um pai da escola,  editamos as imagens lindas no computador com os sons produzidos com instrumentos feitos com sementes, agogô, piano e tambores. Usamos o programa imove. O legal é que participaram de todo o processo, até assistiram uma parte da edição, nos computadores da escola.



Esse projeto foi apresentado aos pais e a toda comunidade escolar no evento Pão & Livro. O sucesso foi tanto que fomos convidados a inscrever o projeto no Festival de Animação Múmia. A meninada envolveu-se muito durante as atividades e ficaram felizes com o resultado de tanto trabalho. Afinal agora elas tinham um desenho animado feito por elas, com a história, os desenhos, a música, tudo feito por elas!" 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Espaço: a fronteira final

Educação é Pop!

Há esperança!