"Jornalismo Público", esse troço existe?

Ana Luiza Fleck Saibro, presidente do Conselho Curador da EBC




O Conselho Curador da Empresa Brasil de Comunicação, a EBC, estatal que gerencia a comunicação pública federal, é o que de mais próximo temos de uma tentativa de televisão pública.

Sempre fui um crítico de como o Conselho foi elaborado e como os seus conselheiros são escolhidos (até hoje não entendi o que o meu conterrâneo Wagner Tiso está fazendo lá!).

Mas é inegável que boa parte da turma lá está tentando fazer um trabalho bem corajoso, sério, persistente, até utópico. Sou testemunha das iniciativas louváveis de constante debate público sobre as questões da empresa mas, mais ainda, sobre as grandes questões que envolvem a comunicação pública como um todo.

Foi o caso do último Roteiro de Debates onde fizeram uma análise sobre o jornalismo da EBC. Vale conferir.

Adoro esse debate sobre o tal "jornalismo público". Emissora estatais e político-partidárias até a medula e, portanto, muito pouco públicas, como a TV Cultura e a Rede Minas, adoram se arvorar do tal "jornalismo público". Lançam campanhas, manuais, se colocam como o exemplo... tudo uma hipocrisia de dar dó!

Todo mundo quer ser BBC, mas gestados como a Voz do Brasil. Assim fica difícil!

Uma das batalhadoras que, ao que parece, quer ajudar a mudar isso, é a jornalista e tradutora Ana Luiza Fleck Saibro. Atual presidente do Conselho, onde está desde 2008, comandou o debate sobre o tal "jornalismo público" da EBC e é uma das insistentes personagens que quer debater de tudo e com todos, visando a melhoria da empresa e sua contribuição para a comunicação pública do país.

Ana respondeu as questões do blog sobre o debate e esse tal de "jornalismo público". 

Ao final do debate, o que ficou claro para o Conselho Curador?
"A partir das discussões travadas no Roteiro, o Conselho encontrou alguns pontos de consenso para melhoria do Jornalismo da EBC. São eles: a importância da criação do Comitê Editorial e da elaboração dos planos editoriais dos veículos da Empresa; a necessidade de implantação de projetos continuados de formação dos funcionários; a necessidade da criação de uma política de parcerias com a sociedade civil, movimentos sociais e coletivos de comunicação; a urgência da implementação de um sistema institucionalizado de autocrítica dentro das redações; a necessidade de discussão do financiamento da EBC e seu impacto sobre o jornalismo que esta produz; a importância da ampliação do espaço para pautas sobre o funcionamento da comunicação no Brasil e o papel da mídia pública; a urgência da criação de políticas para ampliação da diversidade cultural e regional; e, por fim, o papel primordial dos mecanismos de interatividade com a sociedade e a necessidade de ampliação dos espaços de participação."

E o que ficou ainda muito nebuloso?
"Alguns pontos levantados são notoriamente um problema a ser resolvido, mas ainda não possuem respostas imediatas, como é o caso do financiamento da EBC. Na verdade, o papel do Conselho não é de construir nem executar políticas e ações dentro da EBC, mas, sim, apontar diretrizes, que devem ser seguidas. Dessa forma, após o debate sobre o jornalismo, a forma de resolução e implementação dos pontos acima não possui resposta clara, pois é papel da Diretoria da Empresa apresentar solução para os questionamentos levantados pelo Conselho. Porém, se o modo de execução não está claro, as diretrizes foram definidas e são vinculantes. Cabe ao Conselho acompanhar as deliberações e cobrar sua implementação, estabelecendo prazos e participando de sua construção."

Há uma definição do que seria "jornalismo público"?
"Creio que essa definição não é responsabilidade exclusiva da EBC ou do Conselho. Existem definições acadêmicas e de outras organizações que também produzem jornalismo público, que não a EBC. Mas algo que foi bastante reforçado no debate é que o jornalismo público, especialmente no Brasil, é um conceito ainda em construção e um debate, apenas, não tem condições de abarcar a questão em toda sua complexidade, nem era essa nossa intenção. O jornalismo público é um modelo que deve ser construído de maneira contínua e a mais democrática possível. Podemos dizer que o foco no cidadão e na cidadania, a pluralidade e diversidade de assuntos, vozes e opiniões, o zelo pela participação social e o rigor com técnicas do jornalismo são questões que de saída podem ser apontadas como importantes dentro de uma definição de jornalismo público - questões essas que dialogam com o Manual de Jornalismo da EBC."

O corpo técnico da EBC está disposto a fazer a educação continuada a que o Conselho propõe?
"Essa é uma pergunta que cabe à própria Diretoria da EBC responder. Quanto ao Conselho, temos o compromisso de cobrar e acompanhar essa demanda."

Quais são os próximos passos?
"O Conselho vai acompanhar a implementação das diretrizes estabelecidas a partir do seu calendário de reuniões e demais atividades."

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Espaço: a fronteira final

Educação é Pop!

Há esperança!