MTV sai do ar e entra na história



A MTV sai do ar em outubro. Só vai estar disponível para assinantes. Uma enorme perda para a TV aberta. E uma tristeza para a história da TV brasileira.

Foi uma (quase) revolução silenciosa. Quer dizer, nem tanto já que a música estava no talo. Mas foi importante. Talvez a grande maioria nem saiba o porquê.

Vamos a alguns motivos:

1) UHF para todos: até a entrada da MTV, a faixa UHF (aquela dos canais acima do 13) era restrita para o tráfego de sinais das emissoras tradicionais entre cidades, para alguns poucas emissoras locais sem grande repercussão e para redes religiosas. A MTV daria visibilidade a essa nova faixa, e o telespectador perceberia que existe vida acima do canal 13. Hoje tal faixa está incorporada no dial das televisões, mas perde sua principal emissora nacional.

2) Os 'sem-novela': era a primeira rede nacional de expressão (com exceção das religiosas) a não usar o tripé clássico novela-auditório-jornalismo. Não adiantou muito, mesmo porque ela tentaria se aproximar desse modelo nos últimos tempos, mas, vá lá, foi uma boa tentativa...

3) TV para jovens: que generalização que nada! O principal mote de se fazer uma televisão nacional aberta (generalizar o máximo possível) foi descartado para ser uma TV aberta segmentada. Ainda assim, não era um segmento qualquer, mas a maior parte da população, os jovens. Talvez a mudança da pirâmide etária brasileira explique também o seu declínio.

4) Peso pesado: a controladora não era uma qualquer, mas a família Civita, dona da editora Abril. Embora fosse mais uma grande empresa de comunicação com mais um grande veículo, o que fortalecia a concentração das mídias, ainda assim era alguém capaz de enfrentar a quase homogênea Globo. Portanto, era a esperança de uma diversificação, se não do tipo de capital econômico, pelo menos de oferta de programação de qualidade.

Bem, não deu.


Comentários

  1. A perda maior não é agora com a saída da MTV do ar, mas quando a emissora se rendeu ao público infanto-juvenil e começou a dar notoriedade apenas para bandas juvenis para ganhar audiência. Há anos a MTV dá mais o que falar por causa dos programas de humor (bem medíocres por sinal, exceto pelos mestres do H&R) do que pela música.
    Tentaram tapar esse buraco que a ausênca de música de qualidade deixou com programecos de pseudo-humoristas, ou de baixaria falando de sexo explícito em horário nobre, etc.

    Enfim, cavaram a própria cova ao deixar a música de lado pela sede por audiência a qualquer preço. Quando uma emissora foge da responsabilidade de ser formadora de opinião para ser passiva e rendida à opinião da maioria, não tem como acabar bem.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Marcos,

      Totalmente de acordo. Como você disse, buscaram a audiência pela audiência, ao invés de continuar no seu caminho de segmentação e diferenciação. Aí é bater de frente com quem já faz isso há mais tempo, tem mais dinheiro e melhores condições de distribuição.

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Espaço: a fronteira final

Educação é Pop!

Há esperança!