Espionagem Yankee? As nossas Malvinas!

Freerange
Há um grande exagero nesta questão sobre a "espionagem yankee". Na realidade, é uma grande campanha diversionista.

Tal espionagem me lembra as Malvinas. Toda a vez que um governo se sente acuado, basta declarar guerra a uma grande potência. Por mais improvável que seja a vitória. Como fez (ou faz) a Argentina. Temos mais exemplos por aí.

No meio das passeatas e com a ineficiência em dar respostas concretas (Constituinte e plebiscito? Fala sério!), elegeu-se (pela enésima vez na América Latina) o grande satã norte-americano como o vilão a ser combatido.

Alguém realmente acredita que isso é uma novidade? Ninguém vai em cinema, assiste seriados norte-americanos? E acreditam que tudo ali é fantasia? Ora, a produção audiovisual reflete as paranoias e neuroses da sociedade que a produz e nada ali tem que não esteja ancorado na realidade, mesmo que a história esteja em outro planeta, dimensão, em desenho animado ou no surrealismo.

Portanto, há dezenas de anos sabemos que os EUA monitoram a tudo e a todos. E isso nunca foi exatamente um motivo para perdermos noites de sono ou ficássemos indignados com falta de respeito com a soberania da nação ou com a invasão da privacidade.

Aliás, sobre a invasão da privacidade há outro aspecto hipócrita sobre as recentes discussões sobre o tema. Para mim, é simples. Quer preservar sua privacidade eletrônica? Volte a pesquisar na Enciclopédia Barsa e mandar suas cartas pelo correio.

Não existe almoço grátis. Quando os programas de e-mail e os sites de busca se tornaram inerentes a nossa existência humana, a ponto de não se imaginar o trabalho sem essas ferramentas, faltou perguntar o que nos damos de retorno. Afinal, trata-se de uma negociação comercial. Como análogo, lembro que nossa relação com a TV aberta foi resolvida com o seguinte acordo: tenho a programação gratuita a meu bel prazer e, em troca, autorizo que você interrompa o fluxo narrativo para que aqueles que efetivamente estão pagando a conta possam tentar me convencer de seus propósitos comerciais. Neste sentido, pago a programação gratuita da TV aberta com o que me é mais precioso: meu tempo!

Ora, o Google, programas de e-mail, Facebook justamente negociam esse bem precioso. Afinal, o que esses instrumentos fazem é economizar uma enormidade de tempo em pesquisa, troca de mensagens e informações e cansativas estratégias de preliminares e de manutenção de relacionamentos. Então, somos inocentes a ponto de achar que eles nos daria o que nos é mais valioso sem nada em troca? Ora, para algo tão valioso, o preço é compatível: a nossa identidade.

No entanto, ao que parece, é um preço pequeno. Nos Facebooks da vida somos os primeiros a colocar quem somos, onde estudamos, os nomes dos nossos companheiros, parentes, amigos, o que gostamos, onde estamos, o que pensamos... ora, já sinalizamos que nossas identidade e intimidade não são assim tão valiosas e, portanto, perfeitamente negociáveis.

Por outro lado, deixemos de bobagem: já sabíamos que esses empresas utilizam nossos dados despudoradamente. Ou somos inocentes quando, ao buscar informações sobre passagens para Recife (via Google ou mesmo falando disso por e-mail), milagrosamente anúncios aparecem nos sites que visitamos, recebemos mensagens nas nossas caixas postais. Acreditamos ser coincidência ou o universo trabalhando a nosso favor?

Portanto, debatamos a questão da preservação da nossa identidade na internet não a partir de uma pauta político-partidária de um Estado acuado ou ineficiente, mas a partir do que queremos com a tecnologia. O resto é parecermos com a Velhinha de Taubaté, do escritor Luis Fernando Veríssimo, que acreditava em todas as versões oficiais. Mas, lembremos, ela morreu justamente quando sua inocência foi quebrada!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Espaço: a fronteira final

Educação é Pop!

Há esperança!