Educação para ser Feliz





Essa é a lição de Logan LaPlante. Vale ver o video. Certamente, sua realidade é bem diferente das nossas crianças, mas há toneladas de coisas para se pensar.

Nos EUA, os pais têm a liberdade de não entregar a educação dos filhos ao sistema educacional formal. Aqui, se os pais fizerem isso, podem ser presos. Independente da argumentação dos lados desta questão, uma coisa me parece certa: com a educação formal brasileira toda voltada para que os jovens façam o
maior número possível de pontos no Enem, fortalece o argumento que os pais poderiam ter a liberdade de educar seus filhos da maneira que quisessem, desde que eles tirassem boas notas no exame nacional. Bem, como isso é uma questão quase mecânica, decorar conteúdos e atender as habilidades exigidas para se
fazer a prova - longe da necessidade de conhecer conteúdos e construir habilidades para ser feliz - dá para fazer em casa e com professores particulares, além dos tradicionais cursos preparatórios.

Portanto, a ênfase no Enem é um fator contraproducente a obrigatoriedade do ensino formal. Portanto, tanto os pais deveriam questionar a necessidade das escolas, como as escolas deveriam se movimentar para justificar a sua existência além do treinamento de preenchimento de pontinhos e produção de texto publicitário (afinal, se redijo pensando na avaliação do outro no sentido de ganhar alguma coisa com isso, isso é publicidade).

Mas não joguemos fora a água da bacia junto com o bebê. O Enem teve e tem pontos positivos (só de reformular a indústria do vestibular e ampliar as possibilidades de acesso às universidades públicas, já justificou sua existência). O que o video do jovem Logan nos ajuda é pensar no sistema educacional como um todo. A escola está tentando fazer o meu filho feliz, antes dele saber o que é ossos pneumáticos (acredite, ele tem seis anos e já aprendeu isso na escola - e eu não estou plenamente convencido que é uma coisa boa)? Eu, enquanto professor, estou tentando fazer com que o meu aluno seja feliz?

Bem, nada como escutar o aluno dizendo o que pensa. Gostaria muito de ver uma versão brasileira, de um/a
garoto/a  fazendo uma palestra assim.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Espaço: a fronteira final

Educação é Pop!

Há esperança!